Cartilha: como os pais podem ajudar na educação dos filhos.

Fonte: Zero Hora   Imagem: Unplash 

Postagem_02.jpg

A qualidade da escola brasileira começa dentro de casa. Quando os pais estimulam o aprendizado e participam da vida escolar, as crianças se alfabetizam com facilidade, obtêm notas melhores, permanecem por mais tempo no sistema de ensino e alcançam renda superior na idade adulta.

Baseada em materiais do projeto Educar para Crescer que tem entre suas bandeiras a aproximação dos pais do processo de educação, Zero Hora republica orientações sobre como pais e mães devem agir em diferentes momentos da educação das crianças.

(Continuação da postagem anterior)

 

Dê o exemplo

- A premissa básica de uma família alfabetizadora é dar o exemplo. Não faz sentido um pai esperar

  que seu filho tenha interesse pela leitura se ele mesmo não tiver.

- Sempre que ler algo interessante em um livro ou uma revista, compartilhe com seu filho

  e convide-o a ler junto.

- Comente com seu filho sobre o livro que você está lendo.

 

Crie atividades alfabetizadoras

- Quando escrever cartas, e-mails e bilhetes, peça para ele ajudar.

- Procure mostrar ao seu filho exemplos de como a leitura e a escrita são importantes para a vida.

- Estimule seu filho a ler tudo o que for escrito: rótulos, embalagens, cartazes, outdoors,

  letreiros etc.

- Fiquem sócios de bibliotecas próximas de sua casa.

 

Ofereça livros e histórias

- Dê livros ou revistas simples para que ele comece a ver e a ler sozinho (no começo,

  prefira os de letra de forma).

- Deixe os livros à mão para ele folhear e inventar histórias quando quiser.

- Leia para ele desde bebê, com entonação e emoção. Leia mais de uma vez o mesmo livro.

  Isso é importante para a criança começar a recontar aquela história depois,

  no papel de leitora, passando as páginas do livro corretamente.

- Faça da leitura um momento de prazer - com suco e pipoca.

 

Estimule a escrita

- Faça os convites de aniversário com ele desde o primeiro ano, mostrando onde colocar

  o nome dele, o nome do convidado, o local, a hora, a data.

- Escreva cartões de presentes ou de agradecimento com o filho.

 

O desafio do 6º ano

Trata-se de um momento dramático na vida dos estudantes brasileiros.

É quando eles passam a ter um professor por disciplina e a estudar uma série de matérias novas.

 

Tudo muda de uma hora para outra, e o resultado é o aumento das taxas de reprovação. Nessa fase, com a conquista de autonomia por parte do adolescente, os pais em geral já se afastaram da rotina escolar. Isso é um erro.

 

Esse é um dos momentos em que eles precisam estar mais presentes e atuantes, para garantir que seus filhos não fiquem para trás.

 

Autonomia não significa abandono

- Lembre-se de que acompanhar a vida escolar do filho, mesmo quando ele já

  é bastante autônomo, não significa pagar mico.

- Pergunte, com real interesse e disposição para ouvir, como foram as aulas, o que foi ensinado

  e o que ele achou de mais interessante.

- Olhe os cadernos e os livros. Verifique se há anotações e se os exercícios propostos

  estão completos e corrigidos.

 

Seja presente na escola

- Participe das reuniões e solicite oportunidades para conversar com os coordenadores.

- Tente conhecer todos os professores.

- Esteja presente em festas e apresentações.

- Confie na escola ou troque seu filho de colégio.

- Caso seu filho esteja com dificuldades, pergunte ao professor como você pode ajudar.

 

Dê apoio nos novos desafios

- O 6º ano representa um momento de desafios e novidades: um professor por disciplina,

  novas matérias, conteúdos mais complexos e aprofundados. organização do estudo

  mais independente, com menor supervisão do professor. Além disso, coincide com a entrada

  na adolescência.

- Se seu filho está mudando de escola, visite com ele o novo local no começo das aulas.

  Promova uma adaptação gradual à nova rotina. Se ele tiver de ir sozinho à escola,

  vá junto nos primeiros dias.

- Ensine seu filho a separar o material para as aulas e a deixar a mochila pronta com antecedência.

- Converse sobre o que ele achou dos novos professores e mostre que é possível lidar

  com os diferentes perfis, do mesmo jeito como ele lida com amigos distintos.

- Ajude-o, especialmente no começo, na organização do tempo dedicado às tarefas e trabalhos.

- Mudanças bruscas no humor e no comportamento são comuns ao entrar na adolescência.

  Nesta fase, é essencial criar um ambiente de respeito mútuo e espaço para o diálogo.

 

A lição de casa também é assunto seu

Por mais difícil que seja encarar a tarefa depois de um dia de trabalho, todo pai tem

a obrigação de dedicar tempo e oferecer apoio à lição de casa do filho.

Essa atenção pode ser decisiva para um bom rendimento escolar.

Pesquisas mostram que as crianças que fazem o tema aprendem mais, têm notas

melhores e se tornam mais seguras.

 

Antes do tema

 

Entenda seu filho

Uma grande ajuda na hora da lição de casa é saber o que motiva e o que desanima seu filho.

Ele gosta que você fique por perto ou prefere privacidade?

 

Defina regras

Converse com seu filho e estabeleçam como será a rotina para a lição, onde será feita

e em qual horário.

 

Organize o lugar

Escolham juntos o local onde a lição será feita. Garanta que o espaço esteja arrumado e limpo.

 

Acabe com a distração

Desligue a televisão e o rádio e tente eliminar ou diminuir outros sons que atrapalhem a concentração.

 

Fique de olho na disposição

Na hora da lição, seu filho precisa estar bem disposto. Não pode estar cansado, com fome,

irritado, distraído.

 

Durante o tema

 

Respeite o momento

Todos em casa devem saber que a lição está sendo feita e contribuir, evitando interrupções

e barulhos desnecessários.

 

Auxilie em caso de dúvidas

Se seu filho tiver uma dúvida, ajude-o. Mas não responda por ele. Sugira que ele

procure exemplos parecidos.

 

Ocupe-se com coisas parecidas

Enquanto ele faz contas, que tal dar uma olhada no orçamento? Se ele vai produzir um texto, aproveite para fazer alguma anotação.

 

Incentive-o a rever a lição

Olhar a lição de novo depois de terminada é uma boa prática. Se ele pedir para você rever com ele, valorize o esforço e não aponte diretamente os erros. Caso encontre coisas incorretas e perceba que ele tem condição de localizar o erro, estimule-o. Elogie se ele encontrar o problema e jamais brigue se isso não ocorrer.

 

Depois do tema

 

Veja se a lição foi corrigida

A falta de correção da lição pode desestimular. O aluno pode entender que de nada valeu tanto esforço. Caso isso se repita, é interessante conversar com o professor ou com o coordenador.

 

Elogie os acertos

Seu filho acertou todos os exercícios da lição passada? Ele merece que você lhe dê parabéns. Mas se errou muitos, nada de briga. Pergunte se, com a correção do professor, ele entendeu por que errou. Se a resposta for negativa, estimule- o a tirar dúvidas. Caso a dificuldade seja frequente, o melhor é ir até a escola para identificar onde está o problema.

 

Seja um pai educador

Uma das melhores maneiras de colaborar com o trabalho escolar é dar-se conta de que educação não é só aquilo que a escola oferece.

 

Dê o exemplo

Se você quer que seu filho seja gentil, responsável e carinhoso, deve dar o exemplo.

 

Não negocie o inegociável

As crianças tendem a pedir tudo o que veem. Mesmo que você tenha poder aquisitivo, aprenda a dizer não e a limitar os mimos. Isso dará a seu filho a noção de que as coisas não caem do céu.

 

Seja firme e coerente

Não é suficiente dizer para a criança se comportar. Isso é abstrato demais. Diga quais comportamentos são esperados e quais são reprovados.

 

Dê tarefas domésticas

A partir do momento em que seu filho aprende a caminhar, pode começar a assumir algumas pequenas tarefas, como guardar os brinquedos. Com o tempo, podem colaborar de outras formas, como arrumar a mesa das refeições. Isso deixa a criança feliz, porque ela se sente participante.

EspacoSER_Logo_Base circular1.png