O mau comportamento de seu filho pode ter raiz em seu exemplo como pai e mãe.

Fonte: Sempre Família

As crianças são como esponjas que absorvem tudo o que veem ao seu redor e internalizam essas informações para formar as percepções sobre si mesmo,

os outros e o mundo.

 

Os pais são as principais referências dos filhos na infância e até mesmo na fase adulta.

Os comportamentos, decisões e características pessoais são influenciadas pela convivência em família. Mas na primeira infância essa influência é ainda mais intensa e pode ser positiva ou negativa de acordo com as atitudes dos pais no dia a dia.

 

Você já reparou como os pequenos começam seu aprendizado pela imitação? Eles imitam as pessoas mais próximas e acabam tendo comportamentos semelhantes aos delas. 

A psicóloga Aline Ribeiro Cestaroli, consultora em encorajamento e educadora de pais e professores, explica que as crianças são como esponjas e absorvem tudo o que veem ao seu redor.

 

As informações são internalizadas pelo indivíduo e usadas para formar as percepções sobre si mesmo, os outros e o mundo.

 

Tanto as atitudes dos pais no dia a dia – como falar palavrões, gritar, mentir, ser ríspido, rude, grosseiro, ingrato, desonesto ou agressivo, por exemplo – quanto pela formam como lidam com os filhos reforçam os maus comportamentos.

 

No contexto da criação, a disputa por poder é um dos principais fatores que contribuem para más condutas. “É muito comum o adulto querer mostrar para a criança que é ele quem manda e assim busca uma obediência a qualquer custo, mesmo que acabe gerando estresse, choro e desgaste físico e emocional”, salienta.

 

A importância de se preparar para criar os filhos

A especialista sugere que os pais estudem para educar seus filhos, já que é necessário ampliar as “ferramentas parentais” para lidar com os desafios e comportamentos infantis. A falta de conhecimento aumenta o risco da repetição de padrões e posturas que geram desconexão com a criança.

 

“O padrão mais comum é usar punições ou recompensas para modelar o comportamento do filho. Se ele teve uma atitude positiva, é recompensado. Mas se ele se comportar de maneira inadequada é punido com castigos, sermões, retiradas de privilégios e até palmadas. Apesar de ter um efeito imediato, este padrão reforça os comportamentos negativos”, esclarece.

 

Aline acrescenta, ainda, que a Disciplina Positiva é uma abordagem interessante, em que o objetivo é ajudar as crianças a desenvolverem suas competências socioemocionais para que façam o que é certo, independentemente de punições ou recompensas.

 

Além de buscar informações, é fundamental que os pais reflitam sobre os valores que estão sendo transmitidos e substituam a culpa por responsabilidade.

 

Para Aline, a autoconsciência é a chave para uma educação eficaz a longo prazo. Com respeito, gentileza e firmeza é possível incentivar os filhos a terem boas atitudes. “Seja você a mudança que gostaria de ver na sua família.

 

Nunca é tarde para repensar seus padrões e buscar novas formas de se conectar com seus filhos. A família é o bem mais precioso e é na infância que precisamos semear as características e habilidades de vida”, finaliza.

WhatsApp_Logo_6.png

Pais, liguem, tirem suas dúvidas

ou marquem uma consulta.

EspacoSER_Logo_Base circular1.png