Fonte: O Globo

Linhas curtas de texto possibilitadas pelos -e-readers aumentam compreensão e velocidade de leitura destas pessoas

 

Os leitores eletrônicos, os famosos e-readers ou tablets, são mais eficientes do que o papel para algumas pessoas com dislexia, de acordo com um estudo publicado na “Plos One”.

 

O resultado da pesquisa do Centro Harvard-Smithsonian sugere que o uso de linhas curtas na tela é a vantagem do e-reader. “O uso de linhas curtas (e não o dispositivo em si) traz os benefícios observados”, afirma o estudo coordenado por Matthew Schneps.

 

“Os computadores estão começando a transformar como pessoas interagem com a palavra escrita. Eles estimularam uma evolução nas convenções sociais da leitura, que avança numa velocidade sem precedentes na história.

 

Tecnologias baseadas em computadores apresentam opções de reformatar textos de formas customizadas e de acordo com as necessidades e preferências do indivíduo”, defende a pesquisa.

 

Para o estudo, os autores compararam a compreensão de leitura e velocidade no papel em comparação com os e-readers em 103 estudantes de ensino médio com dislexia.

 

Estudantes com limitada atenção visual também tinham uma compreensão melhor do texto no e-readers. “Propomos que estes resultados podem ser entendidos como consequência de déficits de atenção visual”, aponta.

Quer saber mais? Fale com Silvana Perez, Pedagoga,

Psicopedagoga e Mestre em Educação.

EspacoSER_Logo_Base circular1.png