Buscar
  • Sempre Família

Adolescentes com relacionamentos familiares seguros são mais empáticos com os amigos


Fonte: Sempre família


Adolescentes mais empáticos são menos agressivos, menos preconceituosos

e menos propensos a intimidar os outros.


Adolescentes com relacionamentos familiares mais seguros têm uma vantagem inicial no desenvolvimento da empatia, de acordo com meus colegas e meu novo estudo acompanhando adolescentes até a idade adulta.

Em contraste com os mitos populares sobre adolescentes obcecados por si mesmos, pesquisas existentes mostram que a adolescência é um estágio chave de desenvolvimento para o crescimento da empatia: a capacidade de se colocar no lugar de outra pessoa, de compreender e ressoar com suas emoções e cuidar de seu bem-estar. Empatia é uma habilidade que se desenvolve ao longo do tempo e tem consequências importantes para as interações sociais, amizades e relacionamentos na vida adulta.


Como os adolescentes aprendem essa habilidade tão complexa?

As novas descobertas de nossa equipe, publicadas na revista Child Development, sugerem que os adolescentes que têm relacionamentos familiares seguros fornecem um apoio mais empático a seus amigos. Imagine-se como um adolescente com alguém em sua vida que entende suas lutas, oferece ajuda e faz você se sentir apoiado e conectado – é disso que se trata o apoio empático.


Nosso estudo, liderado pelo professor de psicologia Joseph P. Allen, acompanhou 184 adolescentes desde o início da adolescência até a idade adulta. Quando os adolescentes tinham 14 anos, nós os entrevistamos sobre suas experiências familiares e seu relacionamento com seus pais.


As entrevistas foram formuladas para medir a segurança emocional, a certeza dos adolescentes de que podem explorar e construir autonomia enquanto confiam em outros para fornecer conexão, segurança e suporte quando precisarem. Pesquisas anteriores mostram que as experiências de receber cuidados sensíveis de adultos, especialmente em tempos de estresse, criam apego seguro. Em cada entrevista, classificamos os adolescentes como seguros se expressassem que valorizavam seus relacionamentos familiares e os descrevessem de maneira equilibrada e clara.


Em seguida, filmamos os adolescentes de 16, 17 e 18 anos, enquanto ajudavam um amigo mais próximo a falar sobre os problemas que estavam enfrentando. A partir desses vídeos quantificamos quanto apoio os amigos buscaram dos adolescentes que entrevistamos – por exemplo, pedindo sua opinião sobre uma situação. Para medir quanto apoio empático os adolescentes deram, procuramos quatro tipos de comportamento: mostrar compreensão, ajudar amigos a resolver seus problemas, fornece validação emocional e engajar-se ativamente em conversas.


Descobrimos que os adolescentes que estavam mais seguros em seus relacionamentos familiares aos 14 anos forneciam mais apoio empático a seus amigos no início da adolescência e demonstravam empatia consistentemente alta ao longo do tempo. Adolescentes menos seguros mostraram níveis mais baixos de empatia no início, mas melhoraram essa habilidade com o tempo e quase alcançaram adolescentes mais seguros aos 18 anos.


Essa descoberta sugere que os adolescentes naturalmente adquirem habilidades empáticas à medida que envelhecem, mas aqueles com relacionamentos familiares mais seguros podem chegar lá mais rápido. O que é especialmente interessante é que os amigos dos adolescentes eram mais propensos a buscar apoio de adolescentes seguros e os amigos que buscavam mais ajuda eram mais propensos a recebê-la. Assim, as amizades fornecem um contexto chave para os adolescentes praticarem o ato de dar e receber apoio empático.


Por que isso importa

Adolescentes mais empáticos são menos agressivos, menos preconceituosos e menos propensos a intimidar os outros. Nossa pesquisa sugere que a empatia começa com a sensação de segurança e conexão. Construir relacionamentos seguros, caracterizados por confiança, segurança emocional e capacidade de resposta, pode dar aos adolescentes uma experiência de empatia em primeira mão. Com essa base estabelecida, eles podem compartilhar essa empatia com outras pessoas.


Qual é o próximo passo

Ainda há muito que não sabemos sobre a empatia dos adolescentes. Por exemplo, o que prepara os adolescentes para ter empatia com indivíduos de grupos marginalizados, com novos pares ou parceiros de namoro, ou com seus próprios futuros filhos? Aprender como nutrir empatia na adolescência é vital para construir uma sociedade com mais compaixão.

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo