Buscar
  • A Mente é Maravilhosa

Autoafirmação em crianças: entender e gerenciar comportamentos desafiadores.

Fonte: A Mente é Maravilhosa

A autoafirmação dos pequenos não é um comportamento contra o adulto. Sua intenção não é magoar, mas avisar que estão apenas começando o caminho para a independência.


Por volta dos dois anos de idade, as crianças entram em um estágio caracterizado pela oposição. Se você tem um filho dessa idade, provavelmente o encontrará dizendo “não” a tudo, desafiando você constantemente e se expressando com raiva ou lágrimas quando não consegue o que quer. Esses comportamentos são típicos de autoafirmação, um processo natural que os pais devem compreender.


O mais importante a saber é que nada estranho está acontecendo com seu filho. Essa atitude recém-liberada em que ele é rebelde e desobediente faz parte de seu desenvolvimento e é muito positivo que ela esteja presente. Embora seja exaustivo ou irritante para os adultos, é um sinal de que a criança está construindo sua própria identidade de forma saudável.


O que é autoafirmação e por que ocorre em crianças?

A autoafirmação está presente em todos os seres humanos e é a característica que nos permite compreender e nos expressar como indivíduos. Graças a ela, podemos defender nossos interesses, defender nossos direitos, expressar nossas opiniões e expressar nossas emoções com sinceridade.


Sem a autoafirmação, componente fundamental da autoestima, é mais provável que nos tornemos seres passivos, submissos e dependentes.


No caso das crianças, ocorrem dois fenômenos que nos levam a perceber essa necessidade de afirmação como negativa. Por outro lado, é comum acreditar que os menores devem obedecer às ordens dos adultos sem questionar. Por outro lado, antes dos dois anos, os filhos não apresentam esse tipo de atitude desafiadora, de modo que seu aparecimento repentino pode surpreender e confundir os pais.


Na verdade, a criança não mudou de personalidade ou tem um problema de comportamento, ela está simplesmente passando por um estágio natural de desenvolvimento. É nessa época, entre 24 e 36 meses, que os bebês começam a se perceber como seres individuais (até agora não percebiam claramente a distinção entre eles e o externo).


Birras: uma manifestação de auto-afirmação

Nesse processo de autoafirmação, os acessos de raiva são comuns. Em última análise, trata-se de uma expressão emocional que também é natural e saudável; portanto, eles são encontrados na grande maioria dos bebês dessa idade. A dificuldade surge quando os responsáveis não sabem como manejá-los.

Se os nervos são perdidos, as crianças são repreendidas e forçadas a obedecer e obedecer inflexivelmente, esses acessos de raiva são frequentemente aumentados em frequência, duração e intensidade. Pelo contrário, se entendermos seu papel e a necessidade por trás dele, podemos direcionar essa energia em uma direção positiva para todos.


Esta constatação leva-los a querer afirmar-se como pessoas diferentes e tentar, neste sentido, para fazer valer as suas opiniões, desejos e próprios pontos de vista. A oposição aos adultos é uma das principais ferramentas que encontram para o conseguir e por isso é comum recusarem qualquer pedido ou sugestão dos pais.


Chaves para gerenciar comportamentos desafiadores

A essa altura, já sabemos que a gestão inteligente da autoafirmação infantil vai além de lutar ou resistir de forma sistemática. No entanto, os acessos de raiva são, sem dúvida, dolorosos e desconfortáveis para crianças e adultos.

Como, então, podemos reduzir sua ocorrência? Aqui estão algumas chaves:


Com o melhor de sua capacidade, permita que seu filho tome decisões. Por exemplo, você pode permitir que ele use aquela camisa de verão que ele gosta se ele concordar em usar uma jaqueta por cima em troca. Dessa forma, você sentirá que tem uma escolha e que sua voz será ouvida e não precisará se afirmar por meio da oposição.


Defina os limites estritamente necessários e seja flexível com os outros. Claro, existem situações em que não é possível negociar e os adultos têm que se levantar e mostrar o caminho; mas em muitas outras ocasiões é possível levar em consideração a opinião do bebê.


Permita a expressão emocional de seu filho. Embora os limites que você fixou sejam necessários e devam ser respeitados, o pequeno tem o direito de sentir raiva, raiva, nojo ou tristeza quando estes o impedem de satisfazer seus desejos. Você pode usar frases como: “É normal que você fique com raiva; no entanto, não há problema em você quebrar ou jogar coisas. Quando se sentir assim, pode falar comigo e nós podemos dar um passeio.” Valide-os, faça-o saber que compreende por que é que ele se sente assim e acompanhe-o com compreensão e respeito.


Resumindo, lembre-se que as crianças podem e devem ter opiniões, decisões e emoções. Não finja obediência cega ou submissão consistente, não leve para o lado pessoal suas atitudes rebeldes e desafiadoras. O bebê não está fazendo isso para incomodar ou desrespeitar você, ele está apenas afirmando sua identidade.



8 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo