Buscar
  • Afinando o Cérebro

Você está cuidando da sua memória?

Fonte: Afinando o Cérebro

Com a chegada do final do ano, as inúmeras atividades que requerem nossa atenção, como a preparação para as festas natalinas, finalização de projetos no trabalho e filhos em férias escolares, colocam nossa memória em cheque. É natural que surja a sensação de que a cabeça não suporta mais novas informações e a memória pode começar a falhar.


Mas, saiba que é possível cuidar da sua memória com estratégias simples que podem ser aplicadas em qualquer momento do seu dia e principalmente nesses momentos de maior demanda.


Afinal, para que serve a memória?

Parte da cognição humana, é a memória que nos permite relembrar algum evento que aconteceu no passado. É por meio da memória que nosso cérebro processa, armazena e posteriormente recupera as informações.


Basicamente, existem dois tipos de memória: curto prazo e longo prazo.


Na memória de curto prazo, os dados são guardados de forma temporária para logo em seguida serem descartadas, como quando precisamos guardar o número de telefone do restaurante, para fazer uma reserva. Já as memórias de longo prazo são mais complexas e ficam armazenadas por mais tempo.


Três processos são fundamentais para ajudar na retenção de lembranças:

codificação (coleta das informações para serem armazenadas);

armazenamento (primeiro, a informação é armazenada na memória de curto prazo e depois, se for o caso, esse dado pode ser armazenado na de longo prazo);

recuperação (processo pelo qual as pessoas têm acesso às informações guardadas).


Uma boa memória permite processar uma quantidade maior de informações e diversas pesquisas científicas já comprovaram que a aprendizagem requer manipulação da informação, interação com a memória de longo prazo, e simultaneamente, armazenamento e processamento da informação.


Quando a informação é importante, relevante ou mexeu com suas emoções o cérebro transforma a memória de curto prazo em uma memória de longo prazo. Por isso, sempre que algo deve ser aprendido, a memória operacional é ativada. A aprendizagem requer manipulação da informação, interação com a memória de longo prazo, e simultaneamente, armazenamento e processamento da informação.


As evidências científicas mostram que quanto melhor a capacidade de memória, melhor é o aprendizado das crianças. No caso dos idosos, há uma diminuição da velocidade de processamento e consequentemente um prejuízo para a memória. Se os esquecimentos são constantes e começam a se relacionar à função dos objetos, como por exemplo não lembrar para que serve uma escova de dentes, é importante buscar a avaliação de um especialista.


Como ter uma boa memória?

Como a memória é uma habilidade que pode ser treinada, quanto mais estímulos forem oferecidos melhor será a capacidade do cérebro para armazenar informações e recuperá-las quando desejar, como por exemplo, quando você precisa lembrar rapidamente o nome daquela pessoa que você acaba de encontrar no supermercado.


Ou seja, é possível cuidar da sua memória com treino e oferecer esse cuidado para quem estiver à sua volta. Se você estiver com um idoso que tem se mostrado mais esquecido, instigue a memória dele dando dicas para que possa se lembrar do que quer falar, em vez de oferecer a resposta pronta. No caso das crianças, é importante ensiná-las desde cedo a usar a memória, com brincadeiras e jogos. E quanto mais as atividades forem feitas melhor, pois a repetição ajuda no treino da memória.


Melhore a sua memória em 4 passos

Já dissemos que a memória é uma habilidade e pode ser treinada. Que tal começar agora mesmo a desenvolver a sua de maneira saudável e consistente?


Confira 4 passos para melhorar a sua memória.

1o Passo - Certifique-se de que a informação foi recebida com qualidade

Antes mesmo de memorizar aquela informação importante é preciso ter clareza de que ela foi recebida com qualidade. Ou seja, é importante que a mensagem a ser memorizada seja clara para que o cérebro a receba de forma adequada. Assim, será possível realizar as conexões necessárias.


2o Passo - Informe ao seu cérebro o que você quer memorizar

Precisa memorizar uma informação importante? Conte isso para o seu cérebro, aos fazermos essa solicitação será mais fácil acessar posteriormente.


3o Passo - Desenvolva estratégias de memória

Você avisou o seu cérebro que era preciso memorizar. Agora, ofereça a ele caminhos para acessar e recuperar as informações quando for necessário. Desenvolva estratégias que possam ser utilizadas em diferentes contextos e busque o que faz sentido para a sua memória. Estratégias mentais podem ajudar na consolidação das memórias e quanto mais estratégias, mais fácil será para o cérebro acionar os mecanismos que recuperem a memória desejada. Você pode por exemplo, fazer associações que sejam relevantes, como associar determinada memória a uma música.


4o Passo - Treine o acesso à memória

quanto mais vezes você buscar as informações que foram memorizadas, mais caminhos seu cérebro criará para acessá-las, maior será a consolidação dessas memórias e mais rápido será o acesso.



1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo